loader


BRANQUEAMENTO ORAL
Com a idade, os nossos dentes tendem em começar a ficar menos claros pelo consumo de algumas substâncias (chá, café, vinho tinto, tabaco, sumos de frutas, etc.), por traumatismos ou por antigas restaurações (chumbos). O Branqueamento Dentário permite eliminar esta coloração e devolver a brancura natural aos seus dentes. A duração é determinada pelo tipo de tratamento e da higiene oral assim como dos seus hábitos alimentares.


CIRURGIA ORAL
A Cirurgia Oral é o ramo da medicina dentária relativo às extracções dentárias. A extracção de um dente poderá ter de se realizada quando já não é possível a sua reabilitação, no âmbito de tratamento ortodôntico ou quando possui alguma complicação associada (dente incluso, quisto, etc.). Na cirurgia oral também se incluem os procedimentos de colocação de implantes e de cirurgia pré-protética.


DENTISTERIA
A Dentisteria é o ramo da medicina dentária relativo ao tratamento de cáries. O tipo de material usado depende da cavidade que o dente apresenta após a remoção de toda a cárie, uma vez que os materiais apresentam diferentes características de resistência e estética. As restaurações podem ser de amálgama (o vulgar "chumbo"), resina composta (a "massa branca") ou de outros materiais menos conhecidos, como por exemplo o ionómero de vidro, comummente utilizado em crianças.


ENDODONTIA
A Endodontia é o ramo da medicina dentária relativo às "desvitalizações" dos dentes. Quando uma cárie atinge a parte nervosa e vascular do dente, uma simples restauração não irá solucionar as queixas dolorosas, obrigando à sua remoção, isto é, o tratamento endodôntico. Por vezes, dentes que não provocam dores também necessitam de ser endodonciados pois a polpa do dente pode degenerar e necrosar "morrer", causando problemas graves no futuro. Um dente desvitalizado deve ser vigiado regularmente, pois como não possui parte nervosa, qualquer cárie que possa avançar no dente levará a uma infecção com sintomatologia dolorosa.


IMPLANTES DENTÁRIOS
Os Implantes Dentários são “raízes artificiais”, utilizadas para substituir os dentes ausentes ou perdidos com o objectivo de suportar uma coroa e/ou prótese.
Os implantes estabelecem, uma vez colocados em contacto com o osso, uma união biológica com o mesmo, perfeitamente saudável e estável.
Os implantes devem ser entendidos como mais uma alternativa de tratamento para substituir dentes perdidos. Juntamente com os implantes existem outras opções, tais como as próteses removíveis e as próteses fixas. Contudo, constituem geralmente a opção terapêutica que permite uma reabilitação oral que mais se aproxima da dentição natural em termos fisiológicos e de conforto. Da mesma forma que quando falta um dente existem outras alternativas atrás referenciadas. Cada qual tem as suas indicações, contra-indicações, vantagens e desvantagens. Em termos gerais, o tratamento com implantes consiste em quatro fases: a fase de planificação, a fase cirúrgica, a fase restauradora e a fase de manutenção.
Os tratamentos com implantes não são eternos, tal como não é qualquer outro tratamento reabilitador em Medicina Dentária. No entanto, e com os recentes avanços tecnológicos poderá esperar uma durabilidade dos implantes sempre superior a 15 anos, e no caso das próteses que se apoiam nos implantes um tempo mínimo de 10 anos é o período aceitável de duração. Seja como for, quando exista alguma patologia infecciosa ou problema mecânico no conjunto implante-prótese este período de duração estimado reduz drasticamente. É importante no entanto referir que estes problemas ocorrem quase exclusivamente em casos de uma má manutenção deste tipo de tratamentos. É conveniente efectuar consultas de controlo com um intervalo máximo de 6 meses.


MEDICINA ORAL
É o ramo da medicina dentária responsável pela avaliação, tratamento e seguimento de todas as lesões da mucosa oral e das glândulas salivares. O estudo deste tipo de lesões pode envolver a sua biópsia parcial ou excisão, para análise em laboratório de anatomia patológica, assim como tratamentos com recurso a laser.



OCLUSÃO
A Oclusão é o ramo da medicina dentária responsável pelo diagnóstico e tratamento das disfunções têmporo-mandibulares e pelo correcto encaixe dos dentes superiores e inferiores. Dentro da especialidade inclui-se o estudo da articulação têmporo-mandibular (articulação que liga a mandíbula ao crânio) e toda a parte muscular e ligamentosa.



ODONTOPEDIATRIA
É o ramo da medicina dentária relativo aos tratamentos de crianças. Tendo em conta a especificidade dos tratamentos a realizar e das características dos dentes decíduos ("dentes de leite"), são muitas vezes utilizadas técnicas e materiais diferentes. Em crianças são comuns as restaurações e as aplicações de selantes preventivos.



ORTODONTIA
A Ortodontia refere-se ao tratamento corrector da posição dos dentes e maxilares podendo os aparelhos ser, consoante o caso, removíveis ou fixos. O caso deverá ser sempre avaliado recorrendo a moldes da dentição, fotografias intra e extra orais e radiografias específicas, sendo depois apresentado o plano de tratamento e duração expectável.



PERIODONTOLOGIA
A Periodontologia é o ramo da medicina dentária relativo aos tratamentos das doenças gengivais. As gengivas podem apresentar doenças como a gengivite, a periodontite (vulgo "piorreia") e abcessos gengivais, que exigem tratamento rápido e continuado, de modo a que a saúde das gengivas e osso de suporte dos dentes sejam mantidos. Dentro dos tratamentos mais habituais incluem-se as destartarizações ("limpezas") e alisamentos radiculares.


PRÓTESES FIXAS
Sobre dentes naturais
Estas próteses fixas são próteses confeccionadas para serem colocadas sobre o dente ou raiz natural, quando o dente apresenta uma destruição que impossibilita o restauro pelos meios convencionais. A prótese fixa é extremamente resistente, o que irá permitir um excelente conforto à mastigação. Como é revestida de porcelana, a estética também é bastante melhorada. Existem variados tipos de próteses fixas, como coroas, coroas com espigão, pontes, facetas e inlays/onlays. O tipo de prótese mais adequado para o seu caso será sempre discutido com o seu dentista, tendo em conta o tipo de destruição do dente. Estas próteses podem ser metálicas, metalo-cerâmicas e cerâmicas.

Sobre implantes
Quando existe falta de dentes e se pretende uma solução fixa, estética e inteiramente confortável, a opção são os implantes. Os implantes são constituídos por dois componentes: o implante propriamente dito - a raiz artificial de titânio - e a coroa - semelhante à coroa que é colocada sobre os dentes naturais. Ao contrário do que a maioria pensa, a colocação dos implantes não é dolorosa, e é realizada sob o mesmo tipo de anestesia utilizada para os vulgares tratamentos dentários. Se não se adapta à sua prótese removível e pretende uma solução muito mais confortável e duradoura, os implantes são sem dúvida a melhor solução.


PRÓTESES REMOVÍVEIS
São, tal como o próprio nome indica, próteses que o próprio paciente consegue remover da boca. São suportadas pelos dentes e pela mucosa oral, mas sem ligação fixa. Podem ser de três tipos: esqueléticas, acrílicas e flexíveis.

Próteses Esqueléticas
As proteses esqueléticas são próteses removíveis que possuem uma armação de metal personalizadas de acordo com a dentição de cada paciente e outra porção de acrílico, resistentes e de melhor retenção e adaptação. Devido às características do material com que são confeccionadas são mais finas e menos perceptíveis que as próteses acrílicas.

Próteses Acrílicas
As próteses acrílicas são próteses removíveis inteiramente construídas em acrílico, podendo até ser próteses totais (quando não resta nenhum dente na boca). São próteses às quais também poderão ser acrescentados ganchos como meio de retenção. Podem ser parciais ou totais. As parciais visam a substituição de um ou mais dentes.

Próteses Flexíveis
As próteses flexíveis são próteses que são confeccionadas em fibra de nylon e que por isso apresentam maior capacidade flexível (ainda que dentro de certos limites), o que confere um maior conforto a pacientes que tenham gengivas sensíveis. Apresentam características diferentes das restantes próteses removíveis, pelo que a sua indicação deve ser discutida com o seu dentista.

Manutenção de próteses removíveis
Todas as próteses obrigam a uma manutenção regular, assim como os dentes que a suportam. Adaptação deve ser verificada regularmente, podendo ser necessário o rebasamento (preenchimento interno) da prótese, assim como a troca dos ganchos e conserto da fracturas. Deve ter sempre em ideia que quado a adaptação da prótese não puder ser corrigida deverá confeccionar uma nova. Nenhuma prótese, fixa ou removível, é eterna.